Avisos e Devocionais

QUERO ORAR COMO CONVÉM
04-03-2018
QUERO ORAR COMO CONVÉM

Orar é o relacionamento pessoal com um Deus
pessoal, soberano e detentor de toda glória que nos
motiva a desenvolvermos essa prática dia após dia.
Existem várias formas de se manifestar nas
orações. Com súplicas, suspiros, choro, palavras de
admiração, alegria, bem como, através de uma meditação
silenciosa, na verdade, oração é uma expressão
espontânea (às vezes, circunstancial), daquilo que sentimos.

Interessante, que observo nas Escrituras, a
oração possuindo alguns tipos, ou seja, formas ou maneiras
de exprimi-la.
Em primeiro lugar: A oração suplicatória ou
de petição. Como o próprio nome sugere, esse tipo de
oração tem como característica principal o pedido. Tratase
de voltar-se para com Deus no intento de receber
alguma coisa. Naturalmente, este aspecto da oração
está sempre em evidência. O termo que na Bíblia mais
se usa para designar oração significa realmente exprimir
um desejo.
Em segundo lugar: A oração de ações de graças.
Aqui, a ideia é agradecer a Deus, dando-lhe graças
por todas as coisas que sobrevém em nossas vidas. Um
teólogo chamado Hallesby nos ensina algo muito importante
sobre esse assunto: “A oração de ações de graças
é sequela natural da oração de súplicas. Após recebermos
alguma coisa da parte de Deus é óbvio que devemos
dar-lhe graças. A Bíblia nos apresenta considerável
número de exortações diretas e indiretas a que demos
graças a Deus (...) Este é, porém, um tipo de oração
muito difícil; árduo é aprender a orar, mas ainda mais
árduo é aprender a dar graças. (...) Mesmo que nossos
esforços de dar graças a Deus em oração sejam fracos,
contudo, verificamos que sempre que Lhe conseguimos
expressar reconhecimentos nos sentimos bem. A explicação
é que fomos criados para dar glória a Deus, agora
e para todo sempre. Toda vez que assim fazemos, sentimos
que estamos em harmonia com os planos e propósitos
de Deus em relação a nossa vida. Então nos achamos
verdadeiramente em nosso elemento. É por isso
que dar graças é coisa tão abençoada! Mas dar graças
não é apenas coisa abençoada; é também de vital importância
a nossa vida de oração em geral. Se considerarmos
as respostas de Deus a nossas preces e Lhe rendemos
graças pelo que temos Dele recebido, então a oração
se nos faz mais fácil e obtemos ainda maior estímulo
a suplicar mais”.
Em terceiro lugar: A oração de confissão. Essa é
aquela oração, pela qual dizemos para Deus tudo aquilo
que estamos vivendo e que precisamos nos arrepender.
Wayne Grudem, relata que “como nossa obediência a
Deus jamais é perfeita nesta vida, continuamente dependemos
do seu perdão dos nossos pecados. A confissão
dos pecados é necessária para que Deus “nos perdoe”
para restaurar a sua relação cotidiana conosco. É bom
orar confessando todos os pecados conhecidos ao Senhor
e suplicar o seu perdão. Às vezes, quando nEle
esperamos, Ele nos faz lembrar outros pecados que
precisamos confessar. Com respeito aos pecados que
não recordamos, ou dos quais estamos cientes, é sempre
bom fazer a oração genérica de Davi: “Absolve-me
das faltas que me são ocultas” (Cf. Sl 19.12)”.
No texto da semana que vem, buscaremos estudar
mais duas maneiras bíblicas de nos dirigir a Deus em
oração. Que o Senhor nos ajude, pelo Seu Espírito, a
orar como convém.
Que Deus nos abençoe.

Do seu pastor e servo de Cristo,
Pr. Segundo Almeida