Avisos e Devocionais

AGENTES AUTO DESTRUTIVOS X AGENTES AUTO-CONSTRUTIVOS
11-02-2018
AGENTES AUTO DESTRUTIVOS X AGENTES AUTO-CONSTRUTIVOS

Já tive a oportunidade de conviver com muitas pessoas
nessa vida. Pessoas de todo tipo: Legais, sinceras, amigas,
cristãs, tristes, angustiadas, depressivas, invejosas, falsas,
mentirosas, viciadas, pessoas mais dadas a bondade e pessoas
más. Essas pessoas tiveram seu caráter moldado também por
um conjunto de experiências, sejam essas experiências: a pró-
pria narrativa de suas vidas, influências de todo gênero, ritos,
normas, ideologia e outras coisas mais. Obviamente, todos nós
nascemos maus e separados da Glória de Deus (Cf. Romanos
3.23). Mas têm pessoas que alimentam ainda mais essas maldades
em seus próprios corações. E não é algo satânico. É algo
construído por este ser humano específico. Certa vez alguém
disse mais ou menos assim: “melhor por a culpa em Satanás do
que ter que mudar o caráter”. Acredito muito, que nós somos
aquilo que alimentamos dentro de nós acerca de nós mesmos.
O apóstolo Paulo em sua carta aos Filipenses escreveu
o seguinte: “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo
o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo
o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de
excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.” (Cf.
Filipenses 4.8). O apóstolo Paulo sabia que a nossa mente é
capaz de nos transformar todos os dias e de uma maneira assustadora.
Basta uma experiência traumática e, por vezes,
acabamos nos transformando em pessoas amarguradas, angustiadas,
tristes. Tudo depende daquilo que alimentamos em
nossas mentes. Por exemplo: conheci um pai que perdeu sua
filha e agradeceu ao Senhor pelos tempos em que pôde compartilhar
de sua presença. Ele diz em seus testemunhos: “Deus
é bom e lindinho!” No entanto, outro pai, poderia se revoltar com
Deus, se revoltar com a igreja, se revoltar com a vida e alimentar
sua própria mente que daquele momento em diante a vida
não teria mais sentido, que Deus não está olhando para ele e,
aos poucos, definhar em seu vazio existencial edificado pela
sua própria mente.
Por isso, acredito que somos responsáveis pela nossa
construção ou destruição mental. Acredito que alguns são agentes
autodestrutivos e outros agentes "auto-construtivos". Não
estou aqui pregando pensamentos positivos, confissão positiva
e etc. Estou pregando a possibilidade de encher a nossa mente
daquilo que agrada a Deus; uma mente que nos lembre a respeito
das coisas de Deus e de Sua Palavra. Uma pessoa se
torna invejosa porque está adorando algo que não é o Senhor.
Essa pessoa, geralmente, se torna vingativa, falsa, frustrada,
soberba, infeliz e, certamente, faz outras pessoas infelizes - até
porque esses sentimentos são tão nocivos que detém um poder
imenso de influenciar negativamente todo o ambiente ao seu
redor. (tudo e todos) – se tornaram assim porque foram alimentando
ídolos em seus próprios corações.
Por outro lado, também acredito em agentes autoconstrutivos.
Eles decidem pensar no que é amável, nobre, de
boa fama, puro, correto, verdadeiro e acabam se tornando
pessoas melhores, mais felizes, mais completas, mais cheias
de Deus, até porque, tudo que é, essencialmente bom, passa
pelas mãos do Criador. Suas mentes estão enraizadas em
Cristo e, portanto, são férteis de bênçãos. O resultado disso são
famílias mais felizes, cônjuges mais completos, filhos mais
restaurados, amigos mais edificados, tudo isso, porque eles
conseguem enxergar Deus em tudo. Possuem a mente de
Cristo. Lembre-se de uma coisa: “Nós só damos aos outros o
que temos dentro de nós”. A boca fala o que o coração está
cheio (cf. Mateus 12.2). Respondemos as muitas contingências
da vida de acordo com aquilo que está lá no fundo do nosso
coração.
Experimente se reconstruir. Ouse repensar! Trazendo a
memória somente aquilo que te dá esperança. (cf. Lamentações
3.21) Cristo é a esperança! Sua obra é esperança. Suas promessas
nos trazem esperança. Pensando nessas coisas, as
mudanças serão perceptíveis – e para melhor. Deixando a
inveja, a falsidade, a arrogância, a frustração, a amargura, a
maledicência, os desejos de vingança, a infelicidade de lado e
passando a viver uma vida plena e abundante, repleta de pensamentos
que agradam a Jesus Cristo.
Que Deus nos abençoe.

Do seu pastor e servo de Cristo,
Pr. Segundo Almeida