Avisos e Devocionais

DEUS PENSOU NOS SEUS DETALHES
28-01-2018
DEUS PENSOU NOS SEUS DETALHES

A crise existencial que atinge a humanidade nos dias atuais, tem como agente causador e proliferador, o próprio ser humano. O homem, há muito tempo, não se reconhece, não se aceita e não se conforma com aquilo que é. Cada vez mais, tornamo-nos escravos de uma espécie de “fôrma social”, ou seja, a sociedade nos impõe a forma de pensar, de agir, de vestir; impõe, inclusive, a forma de como o nosso corpo deve ser, enfim, como devemos viver. Em verdade, quando não conseguimos nos amoldar a esses paradigmas, nos tornamos motivos de escárnio e experimentamos o amargo sabor da rejeição. Por isso, afirmo que vivemos em tempo de crise. Crise por não podermos ser quem realmente somos no meio em que vivemos. Então, acabamos por não expor quem somos ou tentamos mudar quem somos (nos conformamos) por medo de sermos desprezados. Nesse comboio de mutações muitos acabam por não conseguir identificar, nem mesmo, a própria face. BASTA! De início, precisamos entender que nós somos exatamente àquilo que Deus queria que fôssemos. Todas as caraterísticas que envolvem a nossa mente e o nosso caráter foram predeterminadas pelo próprio Deus. Não somos, definitivamente, um acidente genético. As nossas destrezas e as nossas deficiências, o nosso caráter e o nosso corpo; tudo isso foi, indiscutivelmente, desejados pelo próprio Deus, e criado para a satisfação do Seu bom propósito. Agostinho de Hipona na sua obra “Confissões” afirma que tudo o que somos veio de Deus e, por isso, precisamos buscar nEle aquilo que Ele quer de nós. Ele disse o seguinte: “(...) bom é aquele que me criou. Ele é meu bem, e eu exulto em Sua honra por todos os bens que constituem a minha existência desde à infância. Meu pecado era não procurar nEle, e sim nas criaturas – isto é,
em mim mesmo e nos outros – os prazeres, as honras e a verdade. Eu me precipitava assim na dor, na confusão e no erro. Graças a ti, oh minha doçura, minha glória, minha confiança, meu Deus, pelos dons que me deste. Conserva -os, pois. E assim, me conservarás. Então crescerá e se aperfeiçoará tudo o que me deste. E eu mesmo, viverei contigo, porque foste tu que me deste a possibilidade de existir (...)”. Isso só nos leva a crer que devemos aceitar o que somos. É certo que Deus tem um plano para nossa vida. Deus nos quer da forma como Ele nos criou. Precisamos, então, buscar conhecer as razões pelas quais Deus nos deu determinadas caraterísticas, pois nascemos para sermos como que ferramentas usadas pelo Pai para desempenhar a sua obra. O apóstolo Paulo (cf. Romanos 12.4-8) nos deixa uma interessante lição. Ao nos ensinar sobre a unidade que devemos ter enquanto “corpo de Cristo”, ele revela as diversas formas que Deus age, aproveitando de nós os dons e talentos que previamente nos deu. Enfim, Paulo faz uma analogia dos membros do corpo humano com o papel que desempenhamos na Obra do Pai. Isso nos faz concluir que nós somos importantes para Deus e Ele nos ama como somos. Deus pensou em cada detalhe ao seu respeito. Não fomos feitos para o pecado, mas fomos criados para fazer a face de Deus conhecida. Para a Glória de Deus.

“Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir”. Salmos 139.13-16

Que Deus nos abençoe.
Do seu pastor e servo de Cristo,
Pastor Segundo Almeida