Avisos e Devocionais

RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS MADUROS E FRUTÍFEROS
15-10-2017
RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS MADUROS E FRUTÍFEROS
O ditado popular diz: “Dize-me com quem andas e eu te direi quem tu és”. Não sei quem inventou o dito, mas o criador tinha um conhecimento relativo de sociologia. Karl Marx disse que “o ser humano é produto do meio”. Sim! Preciso concordar que o meio em que se vive tem certa importância no desenvolvimento da nossa cosmovisão (na nossa forma de ver o mundo). Nesse sentido, é imperioso conservarmos relacionamentos interpessoais maduros e frutíferos, ou seja, devemos andar com quem é capaz de nos acrescentar algo positivo. Não me interprete mal! Não estou falando de relacionamentos interesseiros, estou falando de uma espécie de bom interesse, que busca ter relacionamentos para crescimento, maturidade, desenvolver a piedade, enfim, relacionamentos que edifiquem e nos leve para perto de Cristo.
Na Bíblia, todo cristão é um ministro, cujo estilo de vida é marcado pela edificação uns aos outros por meio dos relacionamentos e dos dons espirituais.
O apóstolo Paulo vê nos relacionamentos uma grande arma para o crescimento, e ensina que esse crescimento será alcançado em um cenário de amor mútuo. “Aquele que quer ser servo do Senhor deve desejar que os outros irmãos também sejam servos do Senhor, evitando as brigas e ensinando o caminho de Cristo, com mansidão, paciência e amor” (Paráfrase do texto de 2 Tm 2.24-26). Para o apóstolo Paulo, relacionamento maduro e frutífero é aquele que busca evitar que o outro caia nas armadilhas de Satanás.
A verdade é que várias famílias/vidas já foram destruídas por amizades que não edificam. Pessoas que andam com más influências geralmente tornam-se pessoas piores. Muitos acabam se envolvendo com drogas, vícios, adultérios, mentiras, maledicência, impiedade e, até crimes. Grande maioria desses relacionamentos começam despropositadamente nos mais variados ambientes sociais (trabalho, escola, clube). No começo nada parece fazer mal. A história tem seu princípio com conversas informais, depois vem a primeira saída, por causa da insistência, animados pela convivência e conveniência, vamos nos atirando, abrindo pequenas concessões. De maneira inconsciente e sorrateira, vamos mudando nosso comportamento e, aos poucos, até nossos princípios e valores poderão ser revistos. Os alertas das pessoas que nos amam começam a chegar, mas a cegueira já nos
atingiu a tal ponto que rechaçamos veemente as tentativas de resgate por parte daqueles que nos amam. Tempos depois, caos instaurado! Consequências desastrosas!
Já ouviu (leu ou viu) essa história em algum lugar? Talvez você já tenha sido influenciado negativamente por alguém. Talvez você já tenha influenciado negativamente alguém. Por isso, meu desejo hoje é convidá-lo a uma autorreflexão. Com quem você está andando? Esse “amigo” tem te influenciado para o bem, tem te levado para perto de Cristo? Tem te admoestado a viver os princípios da Palavra de Deus? E você? Tem sido um bom amigo? Tem edificado relacionamentos maduros e frutíferos?
No livro de Provérbios, Salomão nos ensina: “Perfume e incenso trazem alegria ao coração; do conselho sincero do homem nasce uma bela amizade”. (Cf. Pv 27.9). Também diz em Eclesiastes: “É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!” (Cf. Eclesiastes 4.9-10). Relacionamento maduro e frutífero passa pela prova do amor. São relacionamentos cujo foco é dar conselhos benignos, ajudar o outro a levantar e alguém só estará verdadeiramente de pé, se estiver prostrado aos pés do Senhor. É a vida ao lado do Senhor que nos fará permanecer de pé em toda e qualquer circunstância.
Quando houver essa consciência em nosso mundo, na igreja, o conteúdo dos relacionamentos se tornará muito mais profundo, porque as pessoas não estarão preocupadas com valores externos, mas com valores internos; não com valores passageiros, mas com valores eternos.
Se os seus relacionamentos não são maduros e frutíferos, reveja seus relacionamentos. Reveja sua forma de se relacionar com os outros. Afaste-se daqueles que não te edificam e que não te levam para perto de Cristo. Fuja de meios cheios de maledicência, inveja, maldade, ganância (essa praga pega). Não se associe para o mal, mas seja um agente propagador do bem. Invista nos outros, mas invista da maneira correta: fazendo todo aquele que passar em sua vida compreender que os seus valores não são daqui, são eternos. Vamos contagiar e ser contagiados com O bem e Seus princípios. Tenho certeza que sua vida será cada vez mais frutífera e abençoada.
Que Deus nos abençoe
Do seu pastor e servo de Cristo,
Pr. Segundo Almeida